Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Velha demagogia... Verde democracia...

            Vivemos dias de mudança no comportamento político do brasileiro. Estou dizendo dias, mas que devem ser entendidos como anos ou mesmo décadas. Estamos em um momento crucial para a consolidação das nossas instituições que são frutos de algo que cognominamos democracia no ocidente judaico-cristão, óbvio. Assim, sempre é hora para pensarmos em um assunto tão delicado e complexo.
É quase impossível trazer à baila todos os fatores que envolvem o jogo da política, principalmente em um país que modificou sua estrutura de representação tantas vezes nos seus 189 anos de Estado nacional autônomo. Passamos pela monarquia constitucional dos Pedros; pela república regada a café com leite; pelo estado trabalhista-autoritário-democrático- reformista Varguista; pela nossa “amada e idolatrada”, tacanha e famigerada ditadura militar; enfim, a chamada redemocratização e o sistema presidencialista-democrático-republicano em que vivemos. É por essas e outras histórias que nossa política é algo tão complexo, sem contar o vasto território. São muitos anos de instabilidade e mudanças nos salões do poder; direitos conquistados, perdidos e reconquistados; manutenção de monopólios e de poder de alguns grupos em detrimento da sociedade como um todo. Contudo, passada a tempestade (?), um fato deve ser destacado: se nosso país é jovem (menos de 200 anos), nossa democracia é mais ainda (menos de 25 anos).
            Baseando-se nesta última assertiva, é difícil cobrar maturidade em nosso comportamento político. Bradar palavras bonitas como cidadania e democracia não é o único caminho, tampouco dizer que somos um bando de alienados e que não sabemos votar. Devemos levar em consideração os longos anos da velha demagogia que ainda perdura em nossas ágoras, bem como o fato de que nossa democracia ainda se encontra na sua aurora se comparada a outras. São fatores que a ética segmentada tão cara aos poderes do Estado, à mídia e mesmo à iniciativa privada não conseguem dar conta. Tempo, paciência, reflexão e ação talvez sejam palavras de ajuda, não necessariamente nessa ordem, tampouco em suas dimensões literais, mas, na busca de sua essência. 
            Velha demagogia... Verde democracia... Assim caminha o gigante juvenil varonil filho da América portuguesa...